Compartilhe

Atividade física e diabetes é uma combinação de sucesso

Quem tem o hábito de fazer exercícios físicos garante o controle da glicemia e pode até ser liberado de usar insulina.

É isso mesmo. O corpo do paciente que faz atividade física com frequência gera condições que, talvez, dependendo de um conjunto de circunstâncias, tornam desnecessário o uso de medicamentos.

Se você deseja não apenas ficar bem no dia a dia, como principalmente assegurar qualidade de vida no longo prazo, deixe de ser sedentário.

Saiba agora mesmo por que uma rotina de exercícios faz parte do tratamento do controle do diabetes e comece a se mexer.

Saiba por que exercícios são tão importantes no tratamento

Atividade física e diabetes é uma associação que deve sempre ser vista com bons olhos. Tal prática garante boa saúde a quem convive com essa doença e ao lado da alimentação balanceada, forma ótima dupla no jogo do tratamento. Ambas estão entre os principais fatores de bem-estar e qualidade de vida do paciente. Enfim, descubra por que você deve fazer exercícios regularmente, quais benefícios essa rotina traz e as atividades recomendas.

A obrigação do portador de diabetes é, acima de tudo, manter em equilíbrio o nível de glicemia. Isso faz com que a quantidade de açúcar circulando no sangue seja semelhante à existente em quem não tem a doença e, assim, menos prejudicial à saúde. Excesso de glicose provoca danos nos vasos sanguíneos e depois nos órgãos. Sendo assim, saiba que o exercício físico é não só uma forma natural de estabilizar o índice glicêmico, como também de reverter diagnósticos pré-diabéticos.

Aliás, veja como ocorre o fluxo químico no organismo. Quem tem o hábito de manter o corpo em movimento (inclui-se aí a dança), aumenta a sensibilidade da insulina nas células. Com essa característica, tal substância melhora a captação de glicose circulando no sangue e se torna mais produtiva. Em outras palavras, durante o exercício, o corpo gera condições para precisar de pouca insulina na hora de transformar açúcar em energia. Ao se mexer, você faz mais, com menos.

Nem adianta dar desculpas. Ninguém precisa ser atleta para o corpo produzir os efeitos descritos acima e manter o bem-estar. Simples caminhadas de meia hora por dia já são suficientes. A única exigência é manter a frequência. Já que se trata de algo que precisa fazer sempre, escolha uma modalidade esportiva prazerosa. A princípio, ser for chata, vai você logo desistir; o importante é sair da poltrona.

Atividade física e diabetes exige uma série de cuidados

O primeiro passo a ser dado visando à manutenção da saúde é fazer uma consulta com o objetivo de verificar sua condição física. Fique de olho. Pode haver algum problema no coração ou no joelho e isso faz com que certos tipos de movimentos sejam inadequados para você. Nesse caso, o início de uma rotina estabelecida tendo em vista beneficiar o corpo terá efeitos colaterais capazes de trazer outros problemas. A ideia é ficar bem em todos os sentidos.

Sempre é importante verificar o nível glicêmico antes e depois de fazer exercício. Segundo a doutora Alexandra Manfredini, biomédica e diretora do projeto Diabetes, eu cuido!, caso a glicemia esteja alta minutos antes da atividade, há risco de esse índice disparar ainda mais. “Valores acima de 300 mg/dL já impedem o treino”, explica Alexandra. Checar a glicose depois de malhar revela o benefício adquirido e indica como podem ser as refeições ao longo do dia.

A Sociedade Brasileira de Diabetes divulga informações interessantes sobre rotina de exercícios físicos e vale à pena conferir o site da entidade. Quem deixa de ser sedentário também reduz a gordura visceral, ou seja, a principal causa da obesidade, uma adversária de peso no controle do diabetes. Se você toma insulina, certamente vai receber orientações especiais do seu médico, com o objetivo de evitar a hipoglicemia. Os especialistas sabem muito bem o que pode ser feito em cada caso.

Até agora você viu quais providências deve tomar antes de começar a suar. Quanto melhor preparado você estiver, mais benefícios vai conquistar tanto no curto, quanto no longo prazo. Tenha em mente que a atividade física faz parte do tratamento do diabetes, porém, é algo natural que não se trata de medicamentos. Veja a seguir o que fazer durante o treino e comece a traçar seus planos.

A atividade depende da preferência e da condição de saúde

Existem vários exercícios que você pode fazer, se não houver nenhuma restrição médica, e a escolha da atividade depende só da sua preferência. Fique à vontade para decidir. É interessante destacar que há opções aeróbicas, anaeróbicas e também as de baixa, média e alta intensidade, inclusive considerando a idade da pessoa. O ideal é conversar com um educador físico especializado no tratamento do diabetes.

Exercícios aeróbicos melhoram a atuação do sistema cardiovascular, reduzem a pressão arterial e levam à perda de peso. Os principais são: andar, correr, nadar, pedalar, dançar e esportes coletivos. Podem ser feitos em períodos curtos (até 30 minutos), médios (de 30 a 45 minutos) ou longos (de 45 min. a mais de 1 hora). A intensidade deles também pode ser leve, moderada ou alta. A escolha depende da condição física e idade de cada paciente.

Atividades anaeróbicas são àquelas que exigem esforço intenso em curto período de tempo e fortalecem os músculos. As mais relevantes são: musculação, ginástica, corrida de velocidade (100 metros) e Pilates. A intensidade delas varia conforme o peso dos acessórios usados e o número de repetições do exercício. Mantêm a glicemia baixa por mais tempo e ajuda a trocar a indesejada gordura por massa magra.

Veja outros benefícios para o portador de diabetes que faz atividade física:

  • Previne doenças associadas ao diabetes
  • Melhora a circulação sanguínea
  • Reduz o nível do colesterol
  • Aumenta a qualidade no sono
  • Reduz o estresse.

 

Quem começa a fazer exercícios conquista mais benefícios no curto e longo prazos. A sensação de bem-estar é imediata por causa da liberação de endorfina e serotonina, ou seja, os hormônios associados à alegria. Já no decorrer do tempo, o que existe é o ganho de qualidade de vida e tudo o que é possível desfrutar com essa realidade.

Informação de qualidade é o segredo do tratamento de sucesso

Verificar a glicemia durante a atividade física é mais um cuidado que você precisa tomar. Se ela sobe por causa do exercício e esse índice cresce à medida que se eleva o tempo ou a intensidade do treino, é natural prever que em certo momento a glicose possa ficar descompensada. Veja como ocorre essa relação. Há várias pesquisas sobre o comportamento do corpo do portador de diabetes durante os exercícios e tais informações trazem cada vez mais benefícios.

Você deve ter em mente que essa doença é séria, porém, não precisa ser grave. O perigo vai depender diretamente do seu comportamento, pois há milhares de pessoas que levam uma vida completamente normal no dia a dia. Quanto mais informações você tiver (e, sem dúvida, colocá-las em prática), melhor será o convívio com a doença. Existe paciente que foi liberado da insulina e também quem reverteu um quadro de pré-diabetes.

Sendo assim, o segredo está tanto no nível de conscientização da própria condição de saúde, quanto na capacidade de seguir à risca as orientações dos médicos e demais profissionais envolvidos com o tratamento da doença. Há nutricionistas, psicólogas, educadores físicos e até podólogas. Dessa forma, o projeto Diabetes, eu cuido! possui uma equipe multidisciplinar para orientar o paciente a respeito de tudo o que ele precisa.

E aí, se animou para sair do sofá e começar a fazer exercícios? Diabetes e atividade física combinam tão bem quanto Romeu e Julieta. Você gosta desse doce? Entre nas nossas redes sociais e diga se pode comê-lo de vez em quando e o que faz para ter essa regalia.

Os comentários estão encerrados.

..
..
..



.
.

..
..

 

Inscrição
close-link