Compartilhe

Existem alguns alimentos que podem fazer a mulher não apenas se sentir bem, mas principalmente garantir boa saúde.

Eles têm resultado diferenciado no organismo feminino e devem ser valorizados no dia a dia para que você fique bem.

Ciclo menstrual, gravidez e menopausa são realidades vividas só por ela. Por isso, é importante aprender como se alimentar em cada fase.

Saiba como fazer dos prazeres da mesa, um caminho mais curto para a longevidade com qualidade de vida.

A mulher pode se cuidar mais ao escolher bem o que come

Há vários alimentos que a mulher pode incluir na própria dieta e gerar benefícios à saúde. Seu organismo tem características únicas. Leve isso em consideração na hora de fazer as compras, pois o cardápio interfere tanto no que ela sente em relação ao corpo, quanto na produtividade do dia a dia.

A família inteira se beneficia ao adotar uma dieta balanceada, mesmo assim, existem certos alimentos e quantidades nutricionais que trazem mais retorno à saúde da mulher. Ciclo menstrual e menopausa são as diferenças mais óbvias entre o sexo masculino e feminino. Metabolismo lento, propensão para reter líquido e menor quantidade de massa muscular são outros exemplos de tal distinção.

Quem fica de olho na qualidade da refeição, tem ganhos no curto e no longo prazos. Logo nas primeiras semanas, dá para perceber o organismo funcionando melhor. Em um futuro mais distante, é a prevenção a várias doenças que surge como o maior incentivo para investir na alimentação. Câncer, doenças cardíacas, osteoporose e fraqueza muscular estão entre os problemas mais comuns.

Perda de peso e manutenção da beleza estão entre outras preocupações bem frequentes entre as mulheres. Este último ponto pode ser alcançado inclusive por meio da pele, da unha e dos cabelos saudáveis. Ovo, peixe, linhaça, brócolis, tomate e queijo branco estão na lista de alimentos que dão força e viço a essas partes do corpo. Mesmo sem ir tanto ao salão de beleza, certamente dá para garantir ótimo visual.

Pense bem naquilo que você escolhe pôr no prato. Essa análise deve ser feita hoje mesmo, pois a partir de agora você pode começar a melhorar sua vida. Tudo é questão de hábito. O que acha de se acostumar a se sentir bem todos os dias? Veja como a alimentação influencia em vários aspectos da sua vida.

Os alimentos também reduzem os sintomas da menstruação

Comer chocolate ajuda a manter a calma, mas há outros alimentos que trazem mais benefícios no período menstrual. Sua instabilidade emocional está ligada tanto a fatores hormonais, quanto à perda de nutrientes que saem do corpo por meio do sangue perdido. Sendo assim, é preciso repor as vitaminas, os minerais e tudo que você necessita para ficar equilibrada. Saiba o que manter no organismo durante todo o mês:

  • Ferro
  • Fibras
  • Minerais
  • Ácidos graxos
  • Vitamina E
  • Vitaminas do complexo B.

 

Os alimentos que mais contêm ferro são as carnes vermelhas, os feijões e os vegetais verde-escuros, por exemplo. Ele é melhor absorvido quando combinado com vitamina C. Acerola, laranja e demais frutas cítricas são as opções com a maior quantidade dela. Por outro lado, iogurte, queijo e derivados do leite devem ser evitados porque limitam a absorção do ferro. Melhores resultados são obtidos quando os alimentos são associados corretamente.

Dor de cabeça, nos seios, cólica e inchaço são sintomas que diminuem muito com a alimentação adequada. É um pouco trabalhoso administrar o cardápio, mas vale à pena o esforço para reduzir esses problemas. Soja, linhaça e oleaginosas também devem entrar na lista do mercado.

A relação continua. Consuma os minerais cálcio, zinco e magnésio. Eles estão no abacate, na banana, no ovo cozido, nos pescados e frutos do mar. Os alimentos possuem mais de um componente importante e a relação apresentada aqui já engloba o necessário para lidar da melhor forma com os efeitos da menstruação.

Se o corpo da mulher tem necessidades especiais, dessa forma, os cuidados em relação a ele também são específicos. Descubra como potencializá-los ao máximo.

O dia a dia pode ser mais bem aproveitado pela mulher

O mundo parou com a pandemia, mas a rotina ficou ainda mais corrida dentro de casa. Conciliar vida pessoal e profissional no mesmo ambiente foi bastante estressante e até há pouco tempo as atividades de lazer se tornaram restritas.

Uma das heranças dos tempos de quarentena foi a chance de voltar a se alimentar com comida caseira. Esse hábito deve ser conservado na medida do possível porque ajuda você a preparar o que mais precisa comer em cada período do mês.

Quem quer mais energia para o dia a dia, pode comer abacate (rico em gorduras e fibras), batata doce (carboidrato e manganês) e banana (potássio). Vende-se banana o ano inteiro e ela gera muito rápido o combustível para trabalhar ou fazer atividade física, ou seja, dá energia.

É importante manter o intestino trabalhando todos os dias porque isso evita inchaço e prisão de ventre. O bom funcionamento do intestino garante não só o aumento da imunidade, mas também a eliminação de grande parte das bactérias ruins que podem causar certas doenças no corpo da mulher, entre elas, o câncer de mama e a endometriose.

Segundo a nutricionista Dáfny Diniz, o alto consumo de alimentos ultraprocessados, com muita gordura saturada e açúcares refinados, provoca disbiose intestinal. O bom funcionamento do intestino é facilitado por meio do consumo de alimentos ricos em prebióticos, como a cebola, o alho, a biomassa de banana verde e a chicória. “O intestino já é chamado de segundo cérebro e se torna cada vez mais importante no controle de patologias como diabetes, colesterol alto, síndrome do ovário policístico, entre outras”, afirma Dáfny.

Sendo assim, continua valendo a velha e boa orientação para comer muitas fibras; elas estão principalmente nas frutas e nos cereais. Tomar dois litros de água todos os dias certamente também ajuda bastante nesse processo de manter o intestino funcionando como relógio. Você vai gostar de seguir os conselhos da vovó.

Veja como os alimentos reduzem os efeitos da menopausa

Se o ciclo menstrual causa muito desconforto, a menopausa não é diferente e provoca sensações ruins. Calor excessivo, ressecamento da pele e lentidão do metabolismo são alguns dos problemas que surgem com a chegada dessa fase da vida.

Os médicos podem orientá-la sobre a melhor forma possível para você reduzir os efeitos da menopausa. Mesmo assim, é interessante procurar uma nutricionista para elaborar um cardápio especial e, claro, fácil de seguir.

Os fitoestrogênicos aliviam o suor noturno e a irritabilidade. Estão na soja, nos frutos secos e nos cereais. Já o triptofano, controla as sensações de tristeza e ansiedade. Ele está na banana, no brócolis e nas castanhas. Tudo isso é fácil de achar.

Por outro lado, é recomendável evitar pratos muito temperados, além de alimentos embutidos, enlatados e ultraprocessados. Quanto antes a mulher começar a adaptar seu hábito alimentar, melhor ela vai lidar com as mudanças.

Trata-se de uma fase em que a perda muscular ocorre com mais rapidez e isso deve ser balanceado com o consumo de proteínas de qualidade. Elas estão nas carnes, mas também existem proteínas vegetais. Você pode encontrá-las nos vários tipos de feijão, na lentilha, no arroz integral e no grão de bico, por exemplo.

É não apenas viável, mas também fácil de aliar à rotina, uma dieta saudável e ao mesmo tempo capaz de dar prazer na hora das refeições. O que é bom para a saúde também pode ser uma delícia. Prova disso por certo está nessas receitas criadas especialmente aos portadores de diabetes.

O passar do tempo dá uma dose de sabedoria às pessoas. Elas fazem escolhas mais corretas, deixam de perder tempo com o que não dá certo e conhecem os atalhos para o bem-estar. A alimentação surge como ótima aliada nessa fase e gera mais saúde. Aproveite as dicas.

Os comentários estão encerrados.