Compartilhe

Nutrição preventiva é segredo para ter vida longa e sadia

A nutrição preventiva surge agora como proposta para se cuidar melhor e conseguir viver por muitos anos com qualidade de vida.

Essa alternativa oferece acompanhamento nutricional de forma mais ampla do que é visto por quem vai ao nutricionista para perder peso.

O cardápio pode (e deve) ser adaptado para suprir as necessidades de cada organismo e tornar o alimento uma fonte de saúde e bem-estar.

Veja quais são os benefícios trazidos pela nutrição preventiva e comece já a cuidar da sua família.

 

Escolher a alimentação mais indicada evita várias doenças

Nutrição preventiva é a iniciativa de consumir alimentos que levem à manutenção da saúde e ao aumento da qualidade de vida no dia a dia. Por meio dela, dá para acabar com a carência ou o excesso de certos nutrientes no organismo. Sendo assim, faça isso e estenda as vantagens da alimentação saudável por toda a vida.

Está se tornando comum ir ao nutricionista com o objetivo de conservar a saúde e não só para perder peso ou ter uma dieta visando o tratamento de doenças. Pessoas de todas as idades devem seguir essa recomendação. O cardápio pode, inclusive, ser adaptado de forma individual, seguindo as características de cada pessoa.

Se você tem um estilo de se vestir, o número do calçado e até o perfil de filmes da Netflix por causa do seu jeito de ser, por que não adota também um cardápio próprio? Parece verdade que pensar em um prato para cada integrante da família é algo insano. Entretanto, os nutricionistas podem derrubar esse mito.

Há vários alimentos que devem ser consumidos por todo mundo (quando ninguém tem problema de saúde) e esses já facilitam bastante a escolha do que comer, por exemplo, no jantar. Mais adiante, vamos falar sobre como preparar alimentos de forma personalizada.

A ideia aqui é simplificar seu dia a dia. A combinação de arroz e feijão é perfeita não só por já está na mesa de todo o Brasil, mas também porque fornece vários nutrientes indispensáveis. O acompanhamento pode ser com carne e salada. Escolhemos esse clássico nacional porque toda adaptação deve começar pelas ações mais fáceis. E provavelmente esse primeiro passo mudará muito pouco sua mesa.

Logo em seguida, você vai conhecer ainda mais vantagens da nutrição preventiva e saber como descobrir de quais alimentos precisa para ficar bem.

 

Nutrição preventiva eleva a importância dos alimentos

A alimentação é vista só como item de primeira necessidade para sobrevivência, mas pensar assim é deixar de lado tudo o que ela oferece. É como ter celular sofisticado, repleto de aplicativos voltados para facilitar a vida e usar apenas as funções básicas. Comer é muito mais do que simplesmente encher a barriga.

Quem opta pela nutrição preventiva consegue manter o organismo em equilíbrio e, dessa forma, evitar várias doenças surgidas por causa do abuso na mesa. Veja alguns exemplos do que é possível deixar longe de você ao escolher com sabedoria o que vai ingerir durante as refeições e entre elas.

  • Hipertensão
  • Doenças renais
  • Problemas cardiovasculares
  • Doenças no sistema digestivo
  • Obesidade
  • Diabetes
  • Câncer.

 

De acordo com a nutricionista do Diabetes, eu cuido, Dáfny Diniz, os alimentos têm inúmeras substâncias para a manutenção da saúde. Entre eles estão os antioxidantes, flavanóides, fitoquímicios, prebióticos e probióticos, por exemplo. São capazes de combater radicais livres, favorecer o aumento da imunidade e combater inflamações. Essas substâncias são os conhecidos compostos bioativos dos alimentos.

Com uma boa anamnese do paciente, investigações das queixas e dos sintomas, em conjunto com a avaliação de exames laboratoriais, é possível saber como está a distribuição de nutrientes no seu organismo.

Quando necessário, pode-se fazer hemograma e exames de ferritina, ferro, vitaminas D, B12, C, função hepática, glicemia e hemoglobina glicada. A partir dos resultados, sua nutricionista elabora um cardápio tendo em vista oferecer tudo o que você precisa ter no corpo e também manter a proporção dessas substâncias em equilíbrio.

Veja como preparar refeições para atender as diferentes necessidades dos integrantes de sua família.

 

Alimente a família com o que cada pessoa precisa comer

Nós já vimos que a clássica combinação de arroz e feijão faz bem para todo mundo. Além dela, há outros alimentos que também podem ser preparados sem receio e em maior quantidade, pois são como um curinga na cozinha. Anote aí:

  • A Organização Mundial da saúde preconiza o consumo de 400g de frutas e hortaliças por dia, ou seja, três porções de frutas e duas de verduras e legumes no dia.
  • Consumir hortaliças (repolho roxo, berinjela, batata roxa), cereais, chás, café, cacau, vinho e frutas de cor bordô e vermelho escuro (ameixa, cereja, uva, morango, maçã), é uma ótima iniciativa. Esses alimentos são ricos em antocianinas e podem prevenir doenças neurodegenerativas e cardiovasculares, além do diabetes e da osteoporose, entre outras.
  • A alta ingestão de crucíferas (brócolis, couve–flor, repolho, couve de bruxelas, nabos e folhas verdes escuras como couve, rúcula, folha de mostarda) está associada ao risco reduzido de desenvolvimento do câncer. O ideal é realizar o cozimento dos alimentos a vapor ou consumi-los crus quando for possível, para preservar suas propriedades.
  • Aumento do consumo de alimentos amarelos e laranjas que são ricos em carotenoides (cenoura, abóbora, pimentões, mamão, manga, batata-doce) que estão associados à redução do risco de câncer, doenças cardiovasculares, degeneração macular e catarata.
  • Consumo diário de alimentos fermentados (iogurte, vinagre, picles, missô, kefir) e fibras (farelo de aveia, chia, linhaça, pssyilium) que contribuem para o aumento da microbiota e da regulação da saúde intestinal. Também favorecem o aumento da imunidade, a manutenção do peso adequado, a regulação do colesterol, a triglicérides e a glicemia, por exemplo.

 

Após descobrir quais são as necessidades nutricionais de cada integrante da família, o próximo passo é preparar os pratos voltados de acordo com tais características. Isso é mais fácil do que parece, basta se organizar melhor na compra e também na hora do preparo. Veja as dicas para você seguir na próxima ida ao mercado.

Faça uma lista contendo apenas alimentos indicados pelo nutricionista e pegue em maior quantidade o que a família toda vai comer. Compre pouco dos itens voltados a uma pessoa. Acredite: a personalização começa dentro do carrinho.

Em casa, veja quais são os alimentos que só um indivíduo necessita e prepare-os numa quantidade para servi-los em porções durante uma semana. No caso das saladas, deixe os legumes e as folhas lavadas e guardadas em potes para pegar na hora da refeição.

Outros itens podem ser cozidos e congelados na mesma proporção. É verdade que dá trabalho, mas quando chegar o jantar, está quase tudo pronto. Os alimentos que todos vão comer são feitos como você está acostumado e vale à pena congelá-los tendo em vista sempre ganhar tempo.

É necessário alterar a rotina, com o objetivo de se organizar melhor, e o preparo antecipado das refeições faz parte da lição de casa. Você vai ser recompensado com mais saúde e disposição no dia a dia.

 

A nutrição preventiva trata da melhor forma o diabetes

A alimentação previne doenças, mas quando elas já existem ou estão prestes a surgir, o tipo de comida ingerida ajuda a manter o controle da saúde. Um exemplo disso está no caso do pré-diabetes. Tal diagnóstico ainda permite que a pessoa coma de tudo, mas com moderação. O bom-senso é a melhor atitude.

Existe uma lista de alimentos para evitar. Todos os que são ricos em farinha branca, açúcar ou gordura estão lá. Refrigerantes, sucos naturais e energéticos entram nesse grupo. Vale à pena se esforçar para manter o controle, tendo em vista evitar que os itens restritos passem à categoria de proibidos.

A necessidade da nutrição preventiva se torna mais clara nesse estágio, pois o paciente está no fio da navalha. Quanto melhor for o autocuidado, mais longe a pessoa vai ficar do diagnóstico de diabetes. É possível reduzir a glicemia até que chegue novamente a níveis seguros em relação ao desenvolvimento da doença.

Segundo Dáfny, dá para reverter a situação desfavorável se a pessoa também parar de fumar, reduzir o consumo de bebida alcoólica e fazer exercícios regularmente. “A prática diária de atividade física, aliada com a boa alimentação e o sono adequado, são os três pilares fundamentais para o controle da glicemia. Além disso, já se sabe que a bebida alcoólica e o fumo produzem radicais livres e substâncias inflamatórias que contribuem para o descontrole do diabetes”, afirma a nutricionista do Diabetes, eu cuido.

Para quem está com diabetes e não há como mudar o quadro, a nutrição preventiva evita que o estado de saúde do paciente piore a ponto de levar a outras doenças. As principais são as cardíacas, as lesões renais, os problemas nos pés, as lesões oculares e os problemas de circulação, por exemplo.

É importante considerar que os alimentos sempre são ótimos aliados quando consumidos da forma e na quantidade corretas. Como já dizia o filósofo grego Hipócrates: “Que seu remédio seja seu alimento, e que seu alimento seja seu remédio”.